A empresa familiar percebe a natureza da mudança disruptiva e sabe que a sua continuidade implica uma também contínua postura de recetividade e mudança.

Na atualidade, os fatores de competitividade de um negócio são múltiplos e, cada vez mais, surgem de elementos disruptivos, imprevisíveis, que se impõem em períodos de tempo muito curtos e podem mesmo ser aniquiladores dos negócios que não se adaptem.

O estudo “Empresas familiares da próxima geração: Liderando um negócio familiar num ambiente disruptivo”, da Deloitte, mostra que a empresa familiar está muito atenta a este contexto: 84% dos inquiridos salientaram que as suas empresas familiares percebiam, em parte ou totalmente, os fatores que estão a impulsionar as mudanças disruptivas na envolvente em que estão presentes.

Um dos principais influenciadores desta mudança são os clientes e seus comportamentos; daí que é crucial manter uma contínua atenção às suas tendências, das quais destacaria uma: a sua conectividade à internet e a capacidade de “as coisas” comunicarem com ele.

A Pastelaria Suiça foi fundada em 1922 por Isidro Lopes e Raul de Moura.

A sua excecional localização e explanada foram sempre um polo de atratividade. Na altura da II Guerra Mundial era ponto de encontro de refugiados tal como nos dias de hoje é ponto de encontro do grande fluxo proporcionado pelo turismo.

Nos finais de junho surge a notícia de que a empresa, a 4 anos de se tornar centenária, vai fechar no final de agosto.

A atual gerência salienta que os novos turistas são muitos, mas que o nível de consumo não é suficiente para assegurar a sua viabilidade.

Mais de 50 empregados (chegaram a ser 200) vão perder o seu trabalho, a cidade de Lisboa perde um dos seus pontos de referência.

Quando indagados os motivos para este encerramento, sobressaíram os seguintes (fonte Observador, 28/06/2018):

  • falta de pessoas alguém com dinamismo para assumir o negócio” (o atual proprietário, Fausto Roxo tem 91 anos);
  • pessoal que poderia continuar a dirigir a casa já está reformado”;
  • a clientela que suportava a casa foi desaparecendo”.

As duas primeiras razões refletem os típicos problemas de sucessão e o último motivo uma deficiente perceção das tendências do mercado.

Temas para Reflexão:

  • Que mudanças estão a ocorrer no contexto em que nos inserimos?
  • Como está a evoluir o perfil dos nossos clientes?
  • Adaptamo-nos e continuamos ou desistimos e abandonamos o negócio?

CEO da efconsulting e docente do ensino superior.
Especialista na elaboração de Protocolos Familiares, Planos de Sucessão, Órgãos de Governo, acompanhando numerosas Empresas e Famílias Empresárias.
Orador em seminários, conferências e autor de livros e centenas de artigos relacionados com Empresas Familiares.

Tags: , , , , ,